quinta-feira, novembro 29, 2007

...need to cry...

Os últimos dias foram os mais difíceis para mim. Agora que eu já consegui alugar o ap e me mudo no sábado de manhã, fico impaciente e ansiosa com tudo. Na terça-feira me senti muito triste e sozinha. Tive problemas no jornal e a minha vontade era não voltar para casa, se pudesse teria ido para qualquer outro lugar. Mas não deu. Algumas vezes temos que encarar as situações de frente, e nesse caso, sozinha. Na hora que decidi voltar choveu muito. Eu já tinha chorado várias vezes no telefone com a minha mãe. Aí sentei no ponto de ônibus, e as lágrimas vieram de novo, sem que eu pudesse contê-las. Foi foda. Estava ali sozinha, esperando o ônibus que não chegava nunca. Tinha uma mulher do meu lado, e um casal do outro, mas eu nem me importava com a presença deles, porque só conseguia extravasar a dor que estava sentindo deixando as que as lágrimas limpassem tudo. Senti uma dor de verdade no meu peito. No meu ipod rolava Feist e parecia que todas as letras se encaixavam perfeitamente na minha história, nos meus medos, tudo. Foi olhando a chuva cair que aprendi a importância e o valor de cada gesto e palavra das pessoas que amo. É claro que eu sempre dei valor aos meus amigos e família, principalmente meu pai e minha mãe. Mas agora entendo o que tanta gente me dizia, que quando a gente está longe é que vê o quanto era feliz e não sabia, ou não dava valor porque estávamos acostumados. Estava tudo ali, e agora não está mais. Sinto...

3 comentários:

rbe disse...

sinto...
que encontro forçar onde jamais imaginei!

AeEEEEeeeEeEEE

te amo!

Fabiano disse...

May the force be with you!

seu, ursim disse...

quando leio isso me dá vontade de embarcar no ônibus e ir aí te abraçar e ficar com vc pra sempre.

sei que vc não me suportaria.

mas eu ficaria mesmo assim.